Publicidade

segunda-feira, 1 de setembro de 2014 Cidadania LGBT, Democracia e Cidadania LGBT, Direitos da Diversidade Sexual, Direitos LGBT | 10:44

Democracia e Direitos LGBT: o Fator Marina Silva

Compartilhe: Twitter

Marina 3Nos últimos anos, a luta pelos direitos LGBT avançou significativamente no Brasil. De forma mais acelerada que quaisquer outras demandas por reconhecimentos de identidades, os direitos da diversidade sexual firmaram-se, com mais força, no âmbito dos Poderes Executivo e Judiciário, ainda que seja possível destacar, mais timidamente, avanços nos Poderes Legislativos de alguns Estados e Municípios. Ainda assim, pode-se afirmar que tais conquistas não devam ser creditadas a um Governo em especial, senão a circunstâncias conjunturais, empenho militante e um conjunto de ações que remontam à era Fernando Henrique Cardoso, tendo ganhado mais impulso nos anos Lula.

Com exceção das conquistas advindas do Poder Judiciário, os últimos anos representaram uma intensa diminuição das conquistas LGBT, em razão das escolhas políticas do Governo Dilma e enfraquecimento dos movimentos sociais (muito em consequência das opções e prioridades da gestão federal, bastante dissociadas da defesa incondicional dos direitos humanos). Por este motivo, as eleições deste ano impõem um dilema crucial à afirmação dos direitos sexuais, cuja reflexão perpassa pela análise dos programas de governos dos principais candidatos à Presidência da República. No centro do debate, implica refletir sobre qual modelo de democracia se deseja consolidar no Brasil.

A compreensão da ideia de democracia deve inserir dois conceitos básicos: (1) a inclusão de todos os sujeitos democráticos na arena de decisão política e (2) a compreensão de que o conflito de ideias é inerente ao jogo democrático. Em outras palavras: todas as diferenças que compõem os cidadãos devem dialogar, ainda que conflituosamente, para compor as vontades públicas e guiar os interesses e a condução do Estado.

O conceito de democracia está intrinsecamente atrelado à perspectiva de exaltação do conflito, enquanto divergência de posicionamentos, como condição salutar para a participação de todas as forças políticas que compõem o espaço público. Trata-se de ampliar a participação política, livrando o exercício da governança da apropriação por poucos, desconfigurando o ideário democrático. Neste sentido, o conflito é essencial à concretização da democracia.

Ao afirmar que uma democracia se constrói a partir da interação de diversas posições antagônicas, nela devem se inserir as diferenças religiosas. É incabível afastar do cenário político aqueles que, mesmo distantes da razão pública, fundamentem seus posicionamentos políticos pelo viés da crença religiosa. Aliás, a participação de religiosos na política não é novidade e não se constituiu um mal em si – o problema está no uso que se faz dos discursos de fé para fundamentar o escracho nas relações políticas e seu consequente empobrecimento. Alguém, de fato, acredita que o comportamento de parlamentares fundamentalistas está baseado nos interesses de sua religião?

Em um Estado Democrático de Direito, todavia, o exercício das prerrogativas de cidadania não é absoluto. Para que se estabeleça o equilíbrio, até a ideia de conflito democrático encontra um referencial de observância obrigatória: os direitos fundamentais, expressos na Constituição Federal. Neste sentido, posicionamentos antagônicos encontram guarda tanto para a sua expressão, quanto limites de seu exercício, no Texto da Constituição.

É neste particular que se insere o debate sobre os posicionamentos adotados pelos principais candidatos à Presidência da República nas eleições deste ano. Alguns programas de governo se apresentam mais tímidos, outros ousam na explicitação da defesa a população LGBT. No entanto, o original Programa de Governo da candidata Marina Silva apresentou com mais nitidez o compromisso com os direitos da diversidade sexual. constituição

Baseado em eixos centrais para a conquista dos direitos, o programa de Marina Silva foi assertivo ao defender a criminalização da homofobia, o casamento civil igualitário e a aprovação da lei de identidade de gênero (PL João W. Nery), dentre outros compromissos. A surpresa maior, no entanto, não estava no conteúdo das propostas, mas de quem partiam, uma vez que a candidata é evangélica.

Por diversas vezes Marina Silva tem tentado desmitificar sua crença religiosa do posicionamento político. Em entrevistas, tem buscado distinguir conceitualmente suas diferenças religiosas da defesa dos direitos civis da população LGBT. A apresentação do seu Programa de Governo parecia consolidar este esforço, assegurando a mais comprometida proposta de uma coligação com lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Neste sentido, no que tange à defesa dos direitos LGBT, foi capaz de sedimentar o ideário de democracia, centrado na convivência conflituosa das diferenças e distinção entre posicionamentos pessoais (centrados na dimensão da fé, por exemplo) e a razão pública (orientada pelos direitos fundamentais).

Tragicamente, a defesa dos direitos da diversidade sexual esboçada no programa de governo de Marina Silva não tardou muito, revelando a absoluta incapacidade de a candidatura posicionar-se com a devida coragem para consolidar a propagada construção de uma “nova política”. Os principais pontos de defesa dos direitos da diversidade sexual foram extirpados do texto, reafirmando um descompasso entre a necessidade de avanços e seu posicionamento religioso.

Ao afirmar que o casamento é um sacramento, misturando conceitos legais com religiosos (antes que um ato religioso, o casamento é um contrato jurídico), Marina nega uma das mais importantes bandeiras da população de lésbicas e gays – os mesmos direitos com os mesmos nomes. Ao defender a união civil, fazendo alusão ao PL da então deputada Marta Suplicy, cuja importância histórica é inegável, ainda que já não sirva mais à defesa dos direitos LGBT de hoje, a candidata retrocede quase vinte anos na luta.

Ao retirar o compromisso com a criminalização da homofobia, a candidatura reafirma o equivocado discurso de que a aprovação desta pauta legislativa significaria uma afronta à liberdade religiosa.

A posição da candidatura de Marina tem um efeito tanto simbólico quanto prático. Sob qualquer aspecto, é, sem sombra de dúvida, um retrocesso para a consolidação da democracia brasileira. 

Simbolicamente, escancara o quanto a luta pelos direitos da diversidade sexual está condicionada ao amadurecimento das instituições políticas – ainda que o avanço destes direitos seja condição mínima para o fortalecimento da democracia.

Em termos práticos, posiciona-se a favor de um discurso falacioso e de uma prática excludente, revelando um efetivo descompromisso em favor da população LGBT. Com esta postura, acentua o fosso que distancia lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais da igualdade necessária para inserir-se no jogo político em condições de participar dos conflitos democráticos como qualquer outro cidadão.

Ainda que a definição de voto não deva se centrar em um único aspecto do programa de governo de uma candidatura, sob o ponto de vista da defesa dos direitos da diversidade sexual o posicionamento de Marina nivela suas propostas às demais (com exceção à proposta do PSOL), abrindo um vácuo de esperanças. Reduz as expectativas de avanço, tornando sua postura indefensável.

Vale destacar que a postura discursiva da candidatura de Marina se difere muito pouco da prática vivenciada no Governo Dilma, em que os direitos da diversidade sexual serviram como moeda de troca nas negociações com as aliadas bancadas religiosas. Entre discursos e práticas, a cidadania LGBT tem sido menosprezada pelo Estado, sem que uma reação independente e eficaz tenha sido apresentada, seja pela sociedade civil, seja pelos postulantes ao Palácio do Planalto.

A fim de amadurecer a democracia brasileira, independente de quem vença a eleição para a Presidência da República, será urgente criar canais de comunicação amplificados em que os direitos civis da população LGBT possam dialogar com diferentes visões da sociedade, em torno de princípios basilares da democracia: Estado laico, pluralismo político e cidadania. 

Autor: Tags: , ,

7 comentários | Comentar

  1. 57 roberto caldo 02/09/2014 2:39

    não tem governo que vai impedir o crescimento dos direitos lgbt,em nenhum pais cujo o governo é laico, mas tudo isso é da permissao de DEUS,nao é todo hetero que vai herdar o reino de DEUS mas com certeza nenhum desses LGBT herdara o reino de DEUS.Assim todos os nascidos da carne inglina para as coisas da carne.

    Responder
  2. 56 Iuri Oscar Palma 02/09/2014 2:32

    Sou gay e ia votar na Marina. Depois de toda esta palhaçada penso que todo o povo LGBT e demais que acreditam em direitos humanos, têm a obrigação de rejeitar esta mulher comprometida com a preconceito e não com a igualdade.

    Responder
  3. 55 Edvaldo 02/09/2014 1:17

    Glórias a DEUS!!!, é DEUS que está no comando, ninguém pode impedir o querer do Senhor, verdadeiramente teremos moralidade e respeito neste país, porque o Brasil é do Senhor, e é bem aventurada a nação cujo Deus é o Senhor AMÉM!!!!.

    Responder
  4. 54 Paulo 01/09/2014 23:49

    O que tem a ver democracia com casamento gay? Estado de Direito com direitos gays, as leis estão aí para drem respeitadas, para de querer mudar o Brasil através do casamento gay, parece que as coisas vão sair das trevas para a luz se isso for aprovado, das duas uma, ou o escritor não sabe o que são essas coisas ou ele está querendo enganar alguém..

    Responder
  5. 53 antonio carlos 01/09/2014 23:07

    Marina é novidade ? veja quem é Marina, foi do PT (1986–2009) depois foi PV (2009–2011) e agora PSB mas já está indo pra REDE, mas na juventude foi do Partido Revolucionário Comunista (PRC), organização marxista que se abrigava no PT, então sob o comando do deputado Genoino (atualmente preso pelo mensalão, foi fundadora da CUT, casou-se e até hoje é casada com o petista Fabio Vaz de Lima, que até alguns dias fazia parte do governo do Acre de Tião Viana, tendo sido afastado por irregularidades
    ( http://www.manciolima.net/noticias/193-noticias/7843-fabio-vaz-marido-de-marina-silva-e-exonerado-do-governo )
    Novidade mesmo é Luciana Genro o resto é tudo igual, tuda candidato de banqueiro

    Responder
  6. 52 Alexandra 01/09/2014 20:54

    A religião da Marina não deve ser impecilho para sua eleição. Sou cristã protestante também e entendo que nós temos as nossas posições acerca do homossexualismo, mas, que, como líder de uma nação, ela não pode e não vai usar a sua crença para descriminar quem quer que seja. Nós servimos a um Deus que aceita a todos. Assim sendo, creio que ela vai saber separar as coisas e servir aos brasileiros de forma igualitária. Não gostamos de ser descriminados, então porque aceitaremos que ela seja descriminada por sua religião? A comunidade LGBT tem os seus direitos, pois, independentes de suas posições sexuais, são seres humanos como quaisquer outros. Tenho certeza de que Marina entende e considera assim.

    Responder
  7. 51 SILVIO LOPES ABELLA 01/09/2014 20:47

    OS GAYS TEM TODO O DIREITO DE SE CASAREM, ASSIM COMO OS DEMAIS TEM O DIREITO DE EXPRESSAR SUAS OPINIÕES SEM SER AMORDAÇADO PELA PL 122, QUE É UMA VERGONHA.

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios